E Vossas Excelências, hein?

Por: Paulo Albuquerque

17/08/2017 - 18:38h

Eu não sei você, mas a mim sempre incomodou a forma como os parlamentares padronizaram o tratamento que dão a eles mesmos quando estão na tribuna fazendo seus discursos. É Vossa Excelência pra lá; Vossa Excelência pra cá!…

 

…Soa mais falso ainda quando vem junto com uma ofensa: “Vossa excelência é um bandido” de um lado; “Não! Vossa excelência é que é um canalha, um ladrão!”, responde o outro…

 

… – Vossa Excelência?…

… – Pra bandido e ladrão?…

 

…Hoje li um trecho de uma circular endereçada aos funcionários públicos da França datada de 1794, logo após a queda da monarquia pela Revolução Francesa. Acompanhe alguns trechos que selecionei para você…

 

…“O funcionário público, acima de tudo, deve desfazer-se da roupagem antiga e abandonar a polidez forçada, tão inconsistente com a postura de homens livres, e que é uma relíquia do tempo em que alguns homens eram ministros e outros, seus escravos. Sabemos que as velhas formas de governo já desapareceram: devemos até esquecer como eram. As maneiras simples e naturais devem substituir a dignidade artificial que frequentemente constituía a única virtude de um chefe de departamento ou outro funcionário graduado. Decência e genuína seriedade são os requisitos exigidos de homens dedicados à coisa pública. A qualidade essencial do Homem na Natureza consiste em ficar de pé. O jargão ininteligível dos velhos ministérios deve dar lugar ao estilo claro, conciso, isento de expressões de servilismo, de formas obsequiosas, indiretas e pedantes, ou de qualquer insinuação no sentido de que existe autoridade superior à razão e à ordem estabelecida pelas leis — um estilo que adote atitude natural em relação às autoridades subalternas. Não deve haver frases convencionais, nem desperdício de palavras”…

 

…Isto esteve numa circular que orientava como os funcionários públicos franceses deveriam se comportar no tratamento com o povo (e entre eles) dali pra frente, passado que era o período monárquico…

 

… Será se nós, aqui no Brasil, não precisaríamos de uma ordem como essa, que atualizasse um pouco o repertório dos parlamentos e não vilipendiasse tanto o que ainda significa Vossa Excelência como pronome de tratamento?…

 

…E mais: depois do comportamento covarde da quarta-feira, nosso parlamento deveria era sentir vergonha de usar o pronome Vossa Excelência. Um escárnio que contrariou o povo brasileiro…

 

…Ora, proteger o presidente de uma investigação necessária em troca de favores políticos foi um dos piores exemplos que os deputados poderiam dar à nação. Acho, pra finalizar, que vossas excelências não perdem por esperar!

Busca rapida:

“Os comentários aqui postados são de inteira responsabilidade de seus autores, não havendo nenhum vínculo de opinião com a Redação da equipe do Jornal Cocktail”