E AGORA?

Por: Getúlio Dutra

13/01/2017 - 12:03h

Sexta passada, dia 06/01, fui comer uma pizza em um restaurante da cidade. Fui eu, meu enteado e sua namorada.

Lá sentamos e fizemos o pedido. Meu enteado se “atracou”  na whats assim como sua namorada. Fiquei observando. Quando me ocorreu de escrever esta coluna. Olhei para os lados, era tudo a mesma coisa. A minha esquerda, tinha um Pai, uma Mãe e mais um casal, todos os quatro “agarrados no whats”, e a criança, assim como eu, olhando para o infinito. Levantei fui até o local aquele, e pude ver que em todas as mesas era amesma coisa..

A FAMÍLIA de hoje deveria ser escrita com “LH”, formando a terminação “ILHA” !

Pois o pai se encerra no escritório para ler jornal. A mãe vai ver novela na TV. O filho vai para os chats da internet. E a filha fica ao telefone com o namorado.

Enfim…um conjunto de pequenas ilhas dentro da mesma casa. Isso é um lar?

Merece o nome de família ?

Ao sabor da imaginação e sem o menor critério científico, creio que três grupos de pessoas podem mudar o mundo. Ou, pelo menos, mudar o seu próprio mundo. Os ingênuos. Os de mais de 40. Os que estão no fundo do poço.

Os INGÊNUOS: por desconhecerem o paradigma, os modelos estabelecidos pela sociedade, pelas instituições, etc…eles ousam tentar coisas novas. E muitas vezes conseguem fazer coisas impossíveis

Os DE MAIS DE 40: as pessoas que se aproximam do meio século de existência às vezes ficam nauseados com sua atividade e abandonam tudo. Conheço estudantes de cursos superiores que, prestes a se formar, abandonaram o curso. E foram meditar nas montanhas do Tibet. Ou vender pastéis na praia e praticar surf. Isto é, eles ousaram tentar a felicidade. Eles têm de revolucionar para poder sobreviver.

Os do FUNDO DO POÇO: são aqueles que chegaram ao fim. Não conseguem enxergar a luz no final do túnel. Chegaram a cogitar a possibilidade do suicídio. Eles precisam espernear. Ser criativos. Tentar o impossível.

Em qual destes grupos você se enquadra?

Busca rapida:

“Os comentários aqui postados são de inteira responsabilidade de seus autores, não havendo nenhum vínculo de opinião com a Redação da equipe do Jornal Cocktail”