“A doença das manias”

Por: Moyses Chaves

15/06/2016 - 16:04h

O TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo) é um transtorno psiquiátrico bastante comum, que se caracteriza pela presença de obsessões e/ou compulsões, suficientemente graves para ocupar boa parte do tempo do paciente, causando desconforto e comprometendo seu desempenho profissional e seus relacionamentos. Pode ser leve ou severo o suficiente para incapacitar seus portadores. É o quarto diagnóstico psiquiátrico mais comum nos Estados Unidos vindo após as fobias, abuso de drogas e depressão.

As manifestações mais comuns são: necessidade repetida de lavar as mãos ou o corpo, de repetir coisas, de fazer verificações, contagens (rituais ou compulsões); ou então ter a mente invadida por um ou mais pensamentos, palavras, frases que o paciente não consegue afastar mesmo que as considere absurdas (obsessões). É comum ainda aos portadores de TOC ter temores absurdos ou exagerados e em razão disto evitar de tocar em objetos – mesmo os mais comuns como: trincos de porta, sofás, móveis, dinheiro, corrimão de escadarias, ou frequentar lugares considerados sujos ou contaminados.

O TOC acomete aproximadamente 2.5 % das pessoas ao longo da vida. É um transtorno crônico que, muitas vezes, se inicia na infância e acomete principalmente indivíduos jovens até os trinta anos, podendo durar toda a vida. É raro que se inicie após os 40 anos. Pode consumir muito tempo da pessoa na execução de rituais, ou ocupar sua mente com obsessões por muitas horas durante o dia, impedindo-a de envolver-se com atividades mais produtivas. O que agrava ainda mais o quadro é que tal comprometimento é sempre acompanhado de muita angústia, aflição, sentimentos de impotência, diminuição da auto-estima e muitas vezes depressão.

Muitos pacientes têm vergonha de seus rituais e até mesmo de seus pensamentos obsessivos, e em função disto procuram ocultá-los dos familiares, precisando esconder-se das demais pessoas para realizar atos que eles mesmos consideram absurdos. Como não conseguem controlar-se e evitá-los, interpretam tal necessidade como “mania”, uma espécie de loucura, fraqueza, desvio da conduta ou perversão, o que aumenta a auto-crítica e os sentimentos de culpa. Os familiares geralmente não compreendem e não toleram as manifestações do TOC, principalmente porque em muitas situações interferem de forma acentuada nas rotinas da própria família e no desempenho profissional ou escolar do paciente.

Até bem pouco tempo não se dispunha de um tratamento efetivo para o TOC. Felizmente, foram desenvolvidos tratamentos que conseguem melhorar a vida de mais de 80% dos pacientes e, em muitas situações, eliminar os sintomas por completo.

Os tratamentos mais modernos consistem de uma associação entre duas modalidades: medicamentos e terapia cognitivo-comportamental (TCC), razão pela qual em todo mundo muito se pesquisa ainda para conhecer melhor a causa do TOC e desenvolver métodos mais eficazes de tratamento.

Busca rapida:

“Os comentários aqui postados são de inteira responsabilidade de seus autores, não havendo nenhum vínculo de opinião com a Redação da equipe do Jornal Cocktail”